quinta-feira, 5 de março de 2009

Longe das verbas do patrocinador, base tricolor sofre com abandono em Xerém

PAPO DE BOLA, SUA FOLHA SEMANAL DE ESPORTES ON-LINE
Estrutura da concentração tem vários problemas e jovens atletas já estão há seis meses sem receber ajuda de custo.
A diretoria tricolor viajou para Lyon e negociou uma das maiores transferências dos últimos tempos do futebol brasileiro. A contratação do atacante Fred, comparada à transferência de Ronaldo para o Corinthians, mostra realidades distintas do clube das Laranjeiras. Se a sede tricolor abre as portas nesta quinta para receber a nova atração tricolor, no centro de treinamento de Xerém, distante cerca de 50 km da sede tricolor, a garotada da base sofre com o outro lado da moeda. Na última partida da Taça Guanabara, realizada no dia 28 de fevereiro, a equipe de juniores do tricolor venceu de virada o Cabofriense por 4 a 3, em Cabo Frio, mas não havia verba do clube para gastos eventuais de jogos, como lanches aos jovens atletas. A comissão técnica teve que arcar com os custos para não deixar os jogadores sem alimentação. Mais ainda: os atletas da base do Fluminense de Xerém estão sem receber ajuda de custo do clube há seis meses e há demora, inclusive, no ressarcimento dos funcionários que contribuem com as despesas em viagens e jogos dos times da base tricolor. Acostumados a acompanhar pelo noticiário os valores milionários bancados pela rede hospitalar de saúde que faz as contratações do clube, como foram os casos de Roger, Romário, Edmundo, Petkovic e os exemplos mais recentes de Thiago Neves e, a nova atração, o atacante Fred, a garotada tricolor encara no dia-a-dia os problemas do Centro de Treinamento do Vale das Laranjeiras, que foi inaugurado há dez anos e já revelou Carlos Alberto (hoje no Vasco), Diego Souza (Palmeiras), Marcelo (Real Madrid), entre outros jovens de destaque no futebol brasileiro e internacional.
Na concentração dos futuros valores do tricolor, os problemas se somam: os aparelhos de ar condicionado funcionam com problemas, não há acesso a internet há dois meses e a TV a cabo foi religada depois de ficar cortada por duas semanas.