Postagens mais visitadas

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

EDITORIAL Nº1

PAPO DE BOLA, SUA FOLHA SEMANAL DE ESPORTES ON-LINE
É profundamente triste o estado administrativo da nossa LIF, hoje já me sinto culpado, mas não me sinto arrependido por ter acreditado que essas pessoas seriam os mandatários que mudariam o rumo do nosso futebol amador, continuam com os mesmos erros do passado e ainda vivem colocando a política a frente do destino da nossa entidade, não entenderam que os políticos são para serem usados como instrumentos de benefícios para a LIF e não a entidade para ser usada pela política suja praticada em nossa cidade, principalmente quando se refere ao esporte, qualquer criança em nossa cidade sabe que verbas da prefeitura não são confiáveis de se receber e principalmente de ter data certa, ai quando se tem uma promessa de receber sentam-se em berço esplêndido e espera a data chegar, pois devido a essa falta de habilidade e de raciocínio os vencimentos chegam e o dinheiro não, jogadores protestam, não treinam e ainda vão para a porta da prefeitura protestar como se a incompetência dos administradores da Seleção possa ser transferida para o poder publico. Esse é mais um vexame que essa diretoria vem acumulando logo após em uma atitude de um de seus membros de solicitar a um radialista de nossa cidade o levantamento de uma campanha para conseguir quentinhas para o almoço dos atletas antes da partida da nossa Seleção contra o selecionado de Ilhéus. Voltando ao assunto dinheiro publico, o acerto entre a LIF e a prefeitura tem que ser mantido entre as entidades, a LIF tem por obrigação de arcar com as suas despesas para depois cobrar a quem tenha a receber, não podemos acreditar que passaremos pelo vexame de outros presidentes que começam a torcer pelo fracasso da seleção por não ter meios de articular recursos para cumprir a meta de chegar a uma final do Intermunicipal, vamo-nos se transformando mais uma vez em uma vergonha interiorana, outra verdade mostrada é de que não sabemos aproveitar nem do momento político que vivenciamos que é o único momento verdadeiro de se tirar dinheiro dos mendigos de votos no momento em que mendigam pelos votos.
E lá vou eu perdendo a esperança, mas ainda querendo acreditar nesse grupo.