sexta-feira, 16 de maio de 2008

Bruno Santos é campeão e quebra jejum brasileiro de seis anos

PAPO DE BOLA, SUA FOLHA SEMANAL DE ESPORTES ON-LINE
Convidado da etapa bate sensação taitiana e conquista o título em Teahupoo, a praia dos crânios quebrados.
Após seis anos, o Brasil pôde enfim comemorar, nesta quinta-feira, uma vitória no Circuito Mundial, o WCT. E quem a conquistou foi justamente um surfista que não faz parte da elite, que raramente tem a chance de enfrentar Kelly Slater, Andy Irons, Mick Fanning & cia. Bruno Santos usou todo o talento moldado nas ondas de Itacoatiara, em Niterói (RJ), para vencer uma das mais temidas etapas do calendário. Derrotou na final o taitiano Manoa Drollet que, assim como ele era convidado da etapa, e ergueu a taça do Billabong Pro, em Teahupoo, a praia dos crânios quebrados.
Foi a 14ª vitória brasileira na elite do surfe, a primeira no Taiti. O último triunfo verde e amarelo no WCT tinha sido em 2002, com Neco Padaratz, em Hossegor, na França. Em Teahupoo, Neco caiu na repescagem.
Bruninho superou o melhor resultado do Brasil no Taiti ao chegar à final. Antes disso, o pernambucano era o melhor na praia dos crânios quebrado: em 2003, perdeu nas semifinais contra Kelly Slater. O americano levou a melhor e depois venceu o campeonato.
A edição de 2008 foi a terceira participação de Bruninho no Taiti. Na primeira, ele entrou como convidado dos patrocinadores. Nas outras, ganhou vaga após disputar as triagens. No ano passado, seu desempenho não foi bom: caiu na repescagem, contra o australiano Tom Whitaker.